Translate this blog

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Salmo XLVI: "Deus É nossa fortaleza"

Ore o Salmo 46 para ter alegrias em sua vida, agradecer bênçãos, vitórias, um amor verdadeiro e alegria alcançados.

1 Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.
2 Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares.
3 Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza. (Selá.)
4 Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo.
5 Deus está no meio dela; não se abalará. Deus a ajudará, já ao romper da manhã.
6 Os gentios se embraveceram; os reinos se moveram; ele levantou a sua voz e a terra se derreteu.
7 O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá.)
8 Vinde, contemplai as obras do Senhor; que desolações tem feito na terra!
9 Ele faz cessar as guerras até ao fim da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo.
10 Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra.
11 O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá.)

Clique aqui e conheça agora mesmo as mais diversas versões da Bíblia Sagrada

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Duas crianças

Conta certa lenda, que estavam duas crianças patinando num lago congelado. Era uma tarde nublada e fria, e as crianças brincavam despreocupadas.

De repente, o gelo se quebrou e uma delas caiu, ficando presa na fenda que se formou. A outra, vendo seu amigo preso e congelando, tirou um dos patins e começou a golpear o gelo com todas as suas forças, conseguindo por fim, quebrá-lo e libertar o amigo.

Quando os bombeiros chegaram, e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino:

– Como você conseguiu fazer isso? É impossível que tenha conseguido quebrar o gelo, sendo tão pequeno e com mãos tão frágeis!

Nesse instante, um ancião que passava pelo local comentou:

– Eu sei como ele conseguiu.

Todos perguntaram:

– Pode nos dizer como?

Respondeu o idoso:

– É simples, não havia ninguém ao seu redor para lhe dizer que não seria capaz.

Autor desconhecido

“No meio de toda dificuldade existe sempre uma oportunidade”. 
                                                                            Albert Einstein


terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

São Miguel Arcanjo

Que lindo é Deus, que nos deu o seu mais nobre soldado para fazer guarda aos homens de bem. 

São Miguel oferece àquele que o invoca com fé, uma proteção infalível. 

A resposta virá muito rápido e a entrega é melhor do que se espera. 

Porque toda a obra e bem feitoria de Deus é divina e Ele age por meio de seus santos anjos. 

Em qualquer situação, por menor ou maior que ela seja, invoque a pronta ajuda do Arcanjo e de sua milícia celeste.  


Alguns chamam de energia, protetor, mentor espiritual. Eu chamo de Arcanjo Miguel. 


Amém!

Rosário de São Miguel Arcanjo: Defesa Espiritual


Clique e saiba mais sobre o livro
O Rosário de São Miguel pode ser entendido como um manual de defesa espiritual. 

O livro serve a dois momentos especiais na vida do leitor - a oração do Rosário, propriamente dita; e, na segunda parte, a reflexão deste mesmo Rosário. Maurício Pássaro chama esses dois momentos de 'luz' e 'reflexos da luz'. 

A luz é o brilho da oração. Os reflexos são as reflexões. Oração e reflexão - eis as duas ações que se complementam nessa obra. Maurício aproveita o tema, a princípio religioso, para dissertar sobre várias questões atuais como o Apocalipse, a Nova Ordem Mundial, a questão ambiental, a violência urbana. 

Ele mostra como o espírito de São Miguel está presente no cotidiano das pessoas comuns, no destino das nações e dos povos, em seu serviço de proteção, defesa e socorro espiritual.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Levo comigo tudo que tenho

Bastar-se a Si Próprio 

Bastar-se a si próprio, ser um todo em tudo por si mesmo e poder dizer omnia mecum porto mea [levo comigo tudo que tenho] é, seguramente, a qualificação mais favorável à nossa felicidade. 

Daí a máxima de Aristóteles: felicitas sibi sufficientium est [a felicidade é dos que bastam a si mesmos (Ética a Eudemo, 7, 2)], que nunca devemos nos cansar de repetir. (No fundo, é a mesma ideia presente na sentença muito bem torneada de Chamfort, posta como epígrafe neste livro.) 

Pois não se pode contar com certeza mais que consigo mesmo; ademais, as dificuldades e as desvantagens, os perigos e os inconvenientes que a sociedade traz consigo são inumeráveis e inevitáveis. 

—Arthur Schopenhauer, in Aforismos Para a Sabedoria de Vida, página 65 - trecho do aforismo 09. 

Ilustração de Takahiro Hara


Dica de leitura:

“Tomo aqui o conceito de sabedoria de vida num sentido totalmente imanente, a saber, o da arte de conduzir a vida da maneira mais agradável e feliz possível [...].”

Arthur Schopenhauer é um dos mais importantes nomes da filosofia em língua alemã, junto com Kant, Hegel, Nietzsche e Wittgenstein. Embora muitas vezes considerado um pensador “pessimista”, seus estudos sobre a filosofia oriental possibilitaram-lhe uma visão até então inédita da existência humana: a dor e o tédio são, para ele, os dois polos entre os quais oscilamos do nascimento à morte. Para se ter uma vivência feliz e agradável, portanto, é preciso constantemente equilibrar-se entre esses dois extremos. Em Aforismos para a sabedoria de vida (1851), Schopenhauer discorre, na linguagem límpida que o caracteriza, sobre os elementos principais da existência, demonstrando que a validade de tal visão de vida não apenas perdura até hoje como parece se fortalecer cada vez mais.

Mais de trinta anos após lançar as bases de sua filosofia em O mundo como vontade e representação, Arthur Schopenhauer tornou-se conhecido por Parerga e paralipomena (1851). Deste vasto tratado de mais de mil páginas contendo aquilo que o próprio autor chamou de “escritos esparsos”, Aforismos para a sabedoria de vida compõe o segundo quarto. Nestes ensaios, o pensador se dirige ao leitor com uma linguagem clara e acessível, deixando de lado terminologias filosóficas, para refletir sobre os principais fatores que influenciam a busca humana pela “boa vida” – uma existência agradável e moralmente justa.

Composto por capítulos como “Daquilo que se é”, “Daquilo que se tem”, “Daquilo que se representa”, “Da diferença entre as idades”, o autor – um dos introdutores da filosofia oriental e budista aos pensadores europeus – discorre sobre a amizade, a simplicidade, a felicidade, a vida, a morte, a honra, sempre com um olhar sereno e estável. Em vez de defender o valor absoluto da razão, postula o indivíduo como o próprio detentor dos meios de se chegar à felicidade, afirmando-se, portanto, como um pensador eminentemente humanista. 

“Aquilo que alguém é e tem em si mesmo, em suma: a personalidade e o valor, é o único fator imediato para sua felicidade e seu bem-estar”. 

Chega mesmo a antecipar noções futuras de psicologia e, em seu estilo lapidar e cristalino, propôs ideias hoje correntes: “[...] não é sem razão que nos perguntamos, antes de qualquer outra coisa, pelo estado de saúde uns dos outros e desejamos mutuamente nosso bem-estar: pois esse é com efeito de longe o elemento mais importante para a felicidade humana. [...] a maior de todas as tolices é sacrificar a própria saúde pelo que quer que seja, pelo emprego, pela erudição, pela fama, e tanto mais por volúpia e prazeres efêmeros: pelo contrário, deve-se priorizá-la em face de tudo o mais”.

Aqui está, em toda sua exuberância, a sabedoria daquele que, admitindo a ausência de Deus e o sofrimento intrínseco à experiência humana, enxergava na reflexão, na arte e na conduta moral os grandes trunfos da humanidade, influenciando todos os pensadores posteriores.

Leia agora mesmo Aforismos para a sabedoria de vida 

Os Editores

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Iniciação à Cabala

INICIAÇÃO À CABALA. Neste livro a autora, Tova Sender, apresenta o histórico e os princípios gerais dessa importantíssima tradição esotérica do judaísmo, conhecida e ensinada por todos os grandes rabinos. 

Como escreve a autora: 

“De início, acho adequado definir o termo Cabala. CABALA é uma palavra hebraica derivada do verbo LECABEL, que significa RECEBER. Cabala significa, então, RECEBIMENTO. Trata-se assim de uma tradição antiga, que passa de mestre a discípulo desde os primórdios da história do povo judeu, de geração em geração, até os dias de hoje. 

A Cabala é a tradição mística do judaísmo, o conjunto das concepções que se referem aos debates e especulações a respeito da compreensão de Deus, do universo, da natureza, da alma humana, do homem e de sua tarefa no mundo criado. 

Documentos originais atestam e testemunham diferentes fases no movimento místico judaico. É possível classificar, no plano geral, sete diferentes abordagens ao longo de dois milênios. Tais diferenças de enfoque não implicam a negação das tendências anteriores, mas a aceitação de novas construções teóricas que se acrescentam, ou de novas práticas. 

Podemos supor também que cada fase seja uma etapa necessária para a manifestação da abordagem que a sucede, a exemplo de um pré-requisito, seja em termos espirituais, intelectuais ou práticos." (...) “O movimento místico judaico, denominado de forma genérica como Cabala, tem início no século I a.C. No entanto, segundo a tradição (...), a origem da Cabala remonta, de acordo com alguns autores, a Moisés; segundo outros, ao patriarca Abraão; e há também menções de que o próprio Adão, o primeiro homem, teria recebido o ensinamento à época de sua criação. 

Resumidamente, uma vez que nosso propósito aqui não é o de dissertar detalhadamente a respeito de cada fase do movimento cabalístico, podemos expor o conteúdo geral e a época aproximada de cada período desse processo que, em última instância, se constitui em um todo, e não em uma sequência de períodos independentes.” 


sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Revelações Sobre o Antigo Testamento


Anna Katharina Emmerick nasceu em 08 de setembro de 1774, perto de Dülmen, na Alemanha. Seus pais eram camponeses humildes e piedosos. Desde os quatro anos tinha visões dos mundos espirituais e conversava habitualmente com o menino Jesus e com os seres espirituais.

Desde menina seu desejo era ingressar num convento, o que veio a ocorrer aos 28 anos, quando entrou no monastério das agostinianas de Agnetenberg, em Dülmen. Durante o tempo em que esteve no monastério, foi incompreendida pelas monjas devido a seus êxtases tanto durante o trabalho quanto durante as orações e também por suas estranhas enfermidades. Alguns anos depois de ter-se tornado monja um decreto de Jerônimo Bonaparte ordenou o fechamento dos conventos da Alemanha e Anna foi acolhida por uma viúva em sua casa em Dülmen.

Foi na casa dessa viúva que Anna Katharina recebeu os estigmas nas mãos, nos pés, a ferida da lança, as feridas da coroa de espinhos e uma cruz sobre o peito, sinais externos, que ela sempre tentou (inutilmente) ocultar, de sua realização espiritual interna... Durante toda sua vida, desde a mais tenra infância, teve muitos dons místicos: locuções, êxtases, visões da história do Antigo Testamento e do Novo Testamento, da vida de Jesus e da Virgem Maria, da igreja primitiva, da vida depois da morte, de acontecimentos dos últimos tempos da história, etc.

Durante muitos anos, até o final de sua vida, alimentou-se apenas da hóstia e de água. Chegou a ser encarcerada pelo governo por vinte dias, durante os quais foi insultada e ameaçada para que declarasse que seus dons divinos eram uma fraude, mas ela não aceitou culpabilidade alguma e a pressão do povo e de algumas autoridades eclesiásticas fizeram com que fosse solta.

Entre fevereiro de 1818 e abril de 1823 ela ditou suas visões ao grande escritor e poeta romântico alemão Clemens Brentano (1778-1842). As visões de Anna Katharina serviram de ponto de partida para muitas investigações arqueológicas, tais como a descoberta dos restos da cidade de Ur, na Caldeia, e da casa da Virgem Maria em Éfeso.

Em uma de suas visões, Cristo mesmo disse a ela que até aquele momento da história ninguém tinha tido um dom de visão do passado, do presente e do futuro como o dela. Anna Katharina Emmerick faleceu no dia 09 de fevereiro de 1824 e, dois meses depois, seu corpo permanecia completamente incorrupto. Foi beatificada pelo papa João Paulo II em 3 de outubro de 2004.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

As Quarenta Questões Sobre a Alma

AS QUARENTA QUESTÕES SOBRE A ALMA, a quarta obra escrita pelo grande visionário alemão Jacob Boehme (1575-1624). 


De onde proveio a alma no começo do mundo? 

O que a alma é em sua essência, em sua substância, em sua natureza e em suas propriedades? 

Como a alma é constituída e qual é sua forma? 

Como a alma se torna iluminada? 

Como a alma se separa do corpo no momento da morte do homem? 

Como a alma é mortal e como ela é imortal? 

Para onde a alma vai quando se separa do corpo, quer seja salva ou não? 

Qual é a diferença entre a ressurreição da carne e a da alma, tanto para os vivos como para os mortos? 

Qual será a forma, a condição, a alegria e a glória da alma na vida futura? 

Que tipo de matéria [ou substância] nossos corpos terão na outra vida? 

Que coisas devem ocorrer no fim do mundo? 

Estas são algumas das perguntas que Boehme respondeu nesta Obra. As perguntas foram feitas por um pesquisador alemão, Balthasar Walter. 

Após percorrer várias universidades da Alemanha no final da segunda década de 1.600, em busca de questões sobre a alma consideradas pelos acadêmicos daquela época como impossíveis de ser respondidas de maneira sólida e convincente, Walter catalogou-as e enviou-as a Boehme, que respondeu a todas elas nesta grande obra As Quarenta Questões sobre a Alma

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Autocompreensão em 20 pensamentos

20 PENSAMENTOS DO PSICÓLOGO CARL JUNG QUE PODEM AJUDAR NA AUTOCOMPREENSÃO



  • Não prenda quem se afasta de você. Assim, quem deseja se aproximar de você não irá conseguir fazê-lo.
  • Tudo aquilo que nos irrita nos outros nos leva a um melhor entendimento de nós mesmos.
  • Se você é uma pessoa talentosa, não quer dizer que tenha recebido algo. Quer dizer que você pode dar algo.
  • O encontro de duas pessoas é como o contato entre duas substâncias químicas: quando há uma reação, ambas se transformam.
  • Nada tem uma influência psicológica mais forte em seu ambiente, e especialmente em seus filhos, do que a vida não vivida de um pai.
  • A vida não vivida é uma doença que pode levar à morte.
  • Sua visão só ficará mais clara quando você olhar para dentro do seu coração. Aquele que olha para fora, sonha. Quem olha para seu interior, desperta.
  • A solidão não chega por você não ter pessoas ao seu redor, e sim por não conseguir comunicar as coisas que são importantes para você, ou por manter certos pontos de vista que os outros consideram inadmissíveis.
  • Me mostre uma pessoa sã e eu a curarei para você.
  • Temos a tendência de olhar para o passado, para nossos pais; e para a frente, para nossos filhos, para um futuro que nunca iremos ver, mas do qual queremos tomar conta.
  • Aquilo a que você resiste, persiste.
  • A depressão é como uma senhora vestindo preto. Se ela chegar, não a expulse. É melhor convidá-la para a mesa e ouvir o que ela tem a dizer.
  • Às vezes, as mãos resolvem um mistério com o qual o intelecto lutou em vão.
  • O sonho é uma pequena porta secreta abrindo-se durante a noite cósmica que a alma era muito antes do surgimento da consciência.
  • Um homem que não cruzou o inferno de suas paixões, nunca as superou.
  • As pessoas fazem o que for, não importa o absurdo que seja, para evitar o confronto com sua própria alma.
  • Eu não sou o que me aconteceu. Sou o que escolhi ser.
  • Podemos chegar a pensar que não controlamos nada por completo. Porém, um amigo pode facilmente nos contar algo sobre nós de que não fazíamos nem ideia.
  • ‘Mágico’ é apenas outra palavra para definir a alma.
  • De uma forma ou de outra, somos partes de uma só mente que tudo engloba, um único ‘grande homem (…)’.

domingo, 29 de janeiro de 2017

2017, ano do Galo de Fogo

Ano Novo Lunar do calendário chinês trará "mudanças drásticas e confusão". Estamos no primeiro dia de 4715, o Ano do Galo



O ano novo Chinês começará em 28 de janeiro de 2017 e terminará em 15 de fevereiro de 2018, e o seu animal regente será o Galo de Fogo. 

A contagem é diferente, porque não é através do ciclo solar que os chineses fazem a passagem de ano, e sim a partir de um novo ciclo lunar.

Segundo a lenda de Buda, que dá início ao Horóscopo Chinês, o galo está destinado a ser o guardião de 2017. 

Por conta disso, é esperado que esse novo ano seja repleto de coragem, honestidade e ambição, que são as características mais fortes desse animal.

2017 pertence ao elemento fogo, como no ano anterior, ambição, charme e reconhecimento ainda são características que irão nos influenciar muito. 

É por causa disso que novas ideias e oportunidades cruzarão o seu caminho frequentemente durante esses 12 meses. Porém, só cabe a você aproveitá-las ou não.

Horóscopo Chinês - Características de 2017

Esse novo ano que se aproxima será cheio de ações inovadoras em sua vida. A presença do Galo de Fogo irá trazer uma energia destemida que te ajudará a não ter medo de mudança. Cheio de oportunidades e novas ideias, o ano de 2017 promete ser repleto de escolhas decisivas.

O Galo tem a característica de ser impulsivo, então tenha cuidado para não tomar decisões precipitadas. Pense muito antes de fazê-las e, se possível, conte aos seus amigos e familiares sobre os seus planos. Eles irão te ajudar a optar pelo caminho correto.

Será um período que apresentará também muita criatividade, imaginação e a vida social bem abalada. Se prepare para diversos convites de festas, encontros e shows. 

Não se espante se coisas que você nunca fez antes, de repente, parecerem interessantes em 2017, pois essa fase promete ser ideal para mudar.